27 de Agosto de 2014

Cinco anos e uma reflexão imperfeita

Cinco anos de blogue! Gosto de números impares, por isso o 5 é um número bonito. Com o blogue a meio vento de há cerca de 1 ano para cá, mais dedicado às marmitas, começa, agora a recuperar algum fôlego. Não sei se para manter ou não, porque os nossos dias são feitos de tantas coisas a que temos que dar primazia, que acabo por ter temporadas em que esta cozinha tem mesmo que navegar à deriva.
 

 
Não fiz este bolo a pensar neste dia, mas como os aniversários pedem sempre algumas reflexões, achei que este bolo que não ficou perfeito, na verdade não podia ser mais perfeito para aqui aparecer hoje. É uma receita simples, básica, a o do bolo de iogurte. Acrescentam-se uns aromas, uns recheios ou coberturas e o sucesso é sempre garantido e lá vem uma receita saborosa com fotografias a apelar a uma emergente ida para a cozinha. Neste em particular (que seria um bolo de iogurte, laranja e tomilho) estava com as expectativas elevadas, mas uma distração enquanto media os ingredientes tornou-o num bolo pesado, enqueijado e não naquele bolo leve que esperava á saída do forno.
 
 
 
Pois é, leitores de blogues de culinária (ou de receitas, como queiram) deste mundo, se pensam que tudo isto são rosas, que só fazemos iguarias deliciosas, desenganem-se. É que um blogue, seja qual for o seu tema, é como as outras áreas da nossa vida: não é perfeito, mas procura-se chegar lá. E para lá chegar tem que acontecer o inevitável: caímos, erramos, fazemos asneira. Depois erguemo-nos, corrigimos os erros, aproveita-se o que se pode e, ás vezes, temos mesmo que descartar o inaproveitável. Já aqui falei destas coisas, das imperfeições, das desventuras culinárias e neste dia volto ao tema, porque acho que é importante perceber que só se chega a este ponto, a 5 anos de partilhas, com muitos erros e desilusões à mistura. Às vezes as asneiras são tantas que me pergunto o que ando aqui a fazer. Bem melhor seria emparedar a porta da cozinha e mais nada. Depois vem-me à ideia um lema que abracei em juventude, mas que tem ficado esquecido: errar é um direito adquirido! Ser-se perfeito? Era tão bom, fazer-mos tudo bem e mais que bem, não esquecer o sal, não queimar o estufado, não deixar o leite vir por fora enquanto "pensamos na morte da bezerra". Pois era, mas ninguém é perfeito, ou pelo menos sempre perfeito, e é aí que está a beleza da vida. É importante reconhecer e aceitar este facto. É importante reivindicar o direito a errar e não nos deixarmos derrotar pela frustração da imperfeição. Não é o erro que nos define, mas o que aprendemos com ele.
 
E por estas coisas, hoje celebra-se o aniversário de um blogue de culinária sem receita. 
 


25 de Agosto de 2014

Laranjas feias, picolé doce


AVISO: Hoje trago provavelmente a que é a receita mais difícil do blogue. Leiam com muita atenção antes de começarem a prepará-la e nunca, mas nunca, o façam sem a supervisão de uma criança.

Sugiro que façam este picolé com aquelas laranjas que vos deram, acabadas de arrancar à árvore, sem tratamento, feias, algumas quase medonhas, mas com tanto sumo e tão doces que jamais as encontrariam assim no supermercado. E, com esta sugestão, aproveito a deixa para vos falar de um projecto que, para já, só actua na zona de Lisboa e Vale do Tejo  e que se chama precisamente "Fruta Feia". Alguns de vós, senão muitos, já ouviram falar deste projecto: é uma cooperativa que tem por objectivo reduzir a quantidade de alimentos que, embora estando em perfeitas condições de consumo, são rejeitados para comercialização e, por isso, devolvidos à terra pelos agricultores com o consequente desperdício de alimento, bem como da água, tempo e recursos gastos para a sua produção.
Todas as semanas a "Fruta Feia" recolhe, junto dos produtores, fruta e outros produtos hortícolas que estão fora das normas de comercialização pelo seu tamanho e aspecto e compõem cabazes de 3-4 kg ou de 6-8 kg e que fazem chegar ao consumidor (que se deve inscrever para o efeito) a um preço convidativo. Passem pela página para conhecerem um pouco mais da "Fruta Feia". Numa sociedade em que o consumismo e o desperdício atingem limites, no mínimo, insensatos, vale a pena conhecer estes projectos.



Ingredientes:
Sumo de 4 laranjas sumarentas
Açúcar ou adoçante a gosto

Preparação:
Adoce o sumo de laranja e verta em forminhas próprias para gelados.
Leve ao congelador até solidificarem.
Sirva-se em dias de calor.

Foi com esta fruta feia que fiz os picolés:
 
 

23 de Agosto de 2014

A fazer no fim-de-semana

 
Vamos colher as ervas aromáticas, de preferência pela manhã enquanto estão plenas em aroma. Vamos envolvê-las com cuidado num saco plástico e coloca-las no frigorifico durante algumas horas ou de um dia para o outro para as livrar da bicheza que por lá se pode encontrar. Depois vamos deixá-las à temperatura ambiente para começarem a perder alguma da humidade e escolher as folhas, rejeitando as que estejam escuras, quebradas ou roídas.
Vamos forrar o tabuleiro do micro-ondas com papel de cozinha e espalhar as folhas numa só camada. Começamos com 1 minuto na potência máxima e continuamos de 30 em 30 segundos, vigiando sempre, até as folhas e pequenos caules se quebrarem por entre os dedos. Esfregámos-las com as pontas dos dedos até se desfazerem em pó, ou quase, e guardamos esta preciosidade em frascos etiquetados, num local escuro, para uso nas nossas delicias culinárias.
Repetimos quantas vezes precisarmos até secarmos todas as folhas. Comecei pelos coentros:
 
 
 
Continuei com a stevia:
 
 
E acabei na salva:
 
 
A salsa e o cebolinho descansam na banca da cozinha, numa jarra com água, porque o seu uso é constante e pelo menos o cebolinho dá-me uma colheita abundante.
 

 
O manjericão transforma-se no tão querido pesto ou é congelado em azeite, em cuvetes de gelo, para usar em temperos.
 
 
 
Entretanto, vou colhendo as sementes das espigas dos coentros e da salsa e deixar secar mais um pouco. Irei guardá-las em envelopes separados e esperar que quando seja a época de as lançar à terra brotem cheias de aroma e vigor.

 
 

22 de Agosto de 2014

Salada de ervilhas, menta e feta



Nestes "Quinze dias com ..." foi escolhido o chef Bill Granger, um chef australiano, autodidata e apreciado pela simplicidade e familiaridade das suas receitas. Para esta quinzena escolhi uma receita simples e apropriada à época: uma salada verde de ervilhas e menta. Ora vejam:

Fonte: "Every Day", Bill Granger
Ingredientes (para 4):
200 gr. de ervilhas (usei congeladas)
3 colheres de sopa de azeite
1 cebola, picada (usei cebola roxa em rodelas)
2 colheres de chá de mostarda Dijon
1 colher de sopa de vinagre de vinho tinto (usei vinagre balsâmico)
1 colher de sopa de mel
Sal q.b.
Pimenta moída na hora q.b.
35 gr. de pistachios, grosseiramente picados (usei amêndoa sem pele)
1 mão cheia de folhas de menta
50 gr. de folhas de espinafre bébé
75 gr. de queijo  feta

Preparação:
Branqueie as ervilhas em água a ferver por 2 minutos (se usar ervilhas congeladas, siga as instruções da embalagem) e esfrie imediatamente em água fria.
Aqueça uma sertã em lume médio, acrescente 1 colher de sopa de azeite e cozinhe a cebola, mexendo, durante de 5 minutos ou até estar suave.
Misture os ingredientes do molho: o restante azeite, o vinagre, mostarda, mel, sal e pimenta.
Misture as ervilhas, amêndoas e cebola numa saladeira e regue com o molho.
Acrescente as folhas de espinafres e menta e o feta desfeito.

20 de Agosto de 2014

Omeleta de bróculos em wrap

 
De vez em quando há inspirações maiores que nos guiam até uma receita, uma refeição. Naqueles momentos em que queremos casar os ingredientes e começamos a divagar, como que se vão juntando de forma tão natural que até parece que já sabíamos o que íamos cozinhar, mesmo quando pensávamos que não sabíamos ainda. Foi assim com o recheio deste wrap que acabou por vir na marmita de segunda-feira e a felicidade da junção dos ingredientes foi tão grande que em vez de uns ovos mexidos escolhidos, tão inábil sou com as omeletas, que acabei por conseguir enrolá-la quase tão bem quanto o D.



Ingredientes:
100 gr. de brócolos
1 ovo
1 colher de sopa de leite
1 dente de alho pequeno
Azeite q.b.
Sal q.b.
Alface q.b.
1 wrap caseiro.

Preparação:
Coza os brócolos em água e sal até ficarem bastante tenros. Retire da água e reserve.
Pique o dente de alho e leve ao lume com azeite, assim que começara a sentir o aroma do alho junte os brócolos e salteie. Deixe arrefecer.
Esmague os brócolos com um garfo descartando os pés (reserve-os para a sopa ou para um salteado de legumes).
Bata o ovo com o leite, junte os brócolos e envolva bem.
Aqueça uma frigideira levemente untada com azeite e deite a mistura de ovo.
Quando o ovo começar a solidificar comece a enrolar com a ajuda de 2 garfos.
Sirva com alface enrolado num wrap.

18 de Agosto de 2014

Chocolate-banded Ice Cream Torte - Dorie às Sextas

 
Mais uma publicação atrasada no "Dorie às Sextas". Como quase sempre, à primeira vista as receitas da Dorie Greenspan parecem complicadas. Muitos ingredientes, extensas e deixam-me a pensar se terei coragem de as testar. Aconteceu o mesmo com esta receita. Fiquei desarmada com a explicação, mas depois de ver a experiência de algumas "Dories" não resisti e acabei por ir mais longe, fazendo o meu próprio gelado em vez de usar gelado de compra como é indicado na receita, tendo seguido uma receita publicada pela Susana no blogue "Tempo, para que te quero".

Ingredientes (só fiz metade da receita com as alterações assinaladas):
200 gr. de manteiga sem sal, cortada em pedaços
255 gr. de chocolate amargo, cortado grosseiramente
1/2 chávena de açúcar
8 ovos grandes
285 gr. de framboesas congeladas em xarope descongeladas
1 colher de sopa de licor de framboesa (opcional)
1 litro de gelado de baunilha
560 gr. de framboesas frescas, para decorar (opcional)
Para o gelado (receita adaptada do "gelado de morango da mãe da Susana"):
180 gr. de abacaxi
250 gr. de morangos frescos
175 gr. de açúcar
250 gr. de iogurte natural
Amêndoa palitada para decorar (opcional)



Preparação:
Se optar por fazer o seu gelado, comece por aqui:
Corte o abacaxi em pedaços, misture 5 colheres de açúcar e leve a lume médio até o açúcar derreter e o abacaxi caramelizar.
Deixe arrefecer.
Lave os morangos, retire os pés e corte-os em pedaços.
Coloque todos os ingredientes do gelado no liquidificar e misture bem (Bimby: 30 segundos / velocidade 7).
Coloque a mistura na máquina de gelados e deixe a máquina trabalhar até a mistura ficar bem cremosa (cerca de 30 a 40 minutos na minha máquina).
Transfira a mistura para um recipiente e leve ao congelador.


 
A "torta":
Unte com óleo uma forma redonda de mola com 20 a 22 cm de diâmetro (usei uma forma rectangular passada por água fria e forrada com pelicula aderente).
Em banho-maria, usando uma tigela resistente ao calor, derreta lentamente o chocolate e a manteiga, mexendo de vez em quando e tendo o cuidado de não deixar a mistura aquecer demasiado, de forma a que a manteiga e o chocolate não se separem. (Usei o micro-ondas, com cuidado redobrado: começando por aquecer 1 minuto na potência máxima e a partir daí de 30 em 30 segundos, mexendo sempre entre cada paragem com a colher-de-pau. Assim que o chocolate continuar a derreter enquanto mexemos, não volta ao micro-ondas).
Transfira a taça para o balcão, misture o açúcar e deixe arrefecer durante 5 minutos.
Incorpore os ovos na mistura, um a um, mexendo bem entre cada adição.
Bata com a tigela no balcão de forma a eliminar as bolhas da ganache e verta 1/3 da mistura na forma.
Leve a forma ao congelador durante 30 minutos. Cubra a restante ganache com pelicula aderente e mantenha-a à temperatura ambiente.
Se usar os ingredientes originais da receita:
Assim que a primeira camada de ganache estiver sólida, comece a fazer o gelado.
Num robot de cozinha triture as framboesas congeladas até ficarem em puré, junte o licor e pulse até estar incorporado.
Adicione aos poucos o gelado de baunilha, pulsando até estar incorporado no puré, mas evitando fazê-lo durante muito tempo para não derreter o gelado.
Deite metade do gelado (este ou o seu) sobre a ganache, levando a forma novamente ao congelador durante pelo menos 15 minutos.
Mantenha o restante gelado no congelador e não lave já o liquidificador porque ainda pode precisar dele para amaciar o gelado.
Quando a camada de gelado tiver solidificado, cubra com metade da ganache sobrante e leve a forma ao congelador por mais 30 minutos. (Só fiz uma camada de gelado, portanto a preparação do meu acabou aqui).
Deite a camada de gelado seguinte sobre a ganache (poderá ser necessário bater o gelado com uma colher-de-pau, ou, se estiver demasiado sólido, levá-lo ao robot de cozinha e pulsar uns segundos). Leve ao congelador por mais 15 minutos, no mínimo.
Termine com a última camada de ganache sobre o gelado.
Abane a forma, alise (aqui polvilhei com a amêndoa), se for necessário cubra com pelicula, não deixando que toque no chocolate e leve ao congelador durante pelo menos 6 horas.
Cerca de 3o minutos antes de servir desenforme o bolo, aquecendo os lados da forma com um secador de cabelo ou embrulhando a forma num pano de cozinha molhado com àgua quente durante 10 segundos (ou puxando a pelicula aderente com cuidado).
Depois de desenformar leve ao congelador durante 30 minutos para solidificar os lados.
Imediatamente antes de servir, decore o bolo com as framboesas, aquecendo rapidamente o topo do chocolate com o secador, de forma a que as framboesas adiram ao serem colocadas ou passe com uma faca aquecida em água quente na superfície do bolo.
Sirva com natas batidas, molho de chocolate ou coulis de framboesa.

Sugestões da Dorie: Use outros sabores de gelado como baunilha com pepitas de chocolate, baunilha com fudge, café, morango (decorando com morangos frescos, ou qualquer outra combinação que gostem.

16 de Agosto de 2014

Salada de pêssego

 
 
É a segunda salada com pêssego que trago este Verão. Os pêssegos são uma fruta preciosa, aromática, a saber e a cheirar a Verão. Nesta altura do ano estão muitas vezes presentes no meu pequeno-almoço, nos meus batidos e nas minhas saladas, daí a não resistir a mais uma. Uma salada perfeita para acompanhar qualquer refeição, servida com ervas aromáticas frescas e um molho simples, não muito calórico, que para mim tem que vir "on the side"! E porque não fazer desta salada o acompanhamento perfeito para uma pizza Dr. Oetker?


Ingredientes:
1/4 de couve roxa
1/4 de couve branca
Rúcula q.b.
1/2 alho francês (só a parte branca)
1 pêssego
Passas, a gosto
2 hastes de tomilho fresco
2 cebolinhos
2 folhas de estragão
Azeite q.b.
Sumo de limão q.b.
Mostarda q.b.
Sal q.b.

Preparação:
Corte as couves em juliana e o alho francês em rodelas finas.
Corte o pêssego em fatias e grelhe ligeiramente, de ambos os lados, numa sertã bem quente (ou coloque as fatias sob a grelha do micro-ondas).
Numa saladeira coloque as folhas rúcula, as couves e alho francês, distribua as passas e junte as fatias de pêssego.
Polvilhe com as folhas de tomilho, o cebolinho e o estragão picados.
Faça o molho juntando os ingredientes a gosto numa taça e mexendo bem para emulsionar
 
***
Tempo de preparação: 20 minutos
Dificuldade: Fácil
Vegetariano: sim
Para crianças: sim
Ingrediente Principal: vegetais
Nº de doses: 1
Prato: Acompanhamento
Marmita: sim (molho à parte)

14 de Agosto de 2014

Batido de ameixa, canela e chocolate


Cá por casa a fruteira está sempre cheia com a fruta da época. A maior parte é consumida ao natural, aos lanches ou como sobremesa, uma menor parte destina-se a outras delicias, dos gelados aos bolos, passando pelos deliciosos, refrescantes, e às vezes gulosos, batidos.

Ingredientes (para 1 copo com cerca de 250ml):
2 ameixas vermelhas
150 ml de leite frio
Açúcar a gosto (ou outro adoçante)
1 pitada de canela em pó
1 colher de chá de raspas de chocolate

Preparação:
Descaroce as ameixas e corte-as em pedaços.
Coloque todos os ingredientes, com excepção das raspas de chocolate, no copo liquidificador e misture até obter uma mistura homogénea (Bimby: 15 segundos / Velocidade 8)
Se estiver demasiado espesso acrescente mais leite.
Verta para um copo e polvilhe com as raspas de chocolate.

9 de Agosto de 2014

Uma salada refrescante


 
São os dias de Verão que mais me puxam para a cozinha para fazer receitas simples e saudáveis. Deixo os estufados e guisados, quentes e reconfortantes, e passo para os pratos leves, mas cheios de cor e sabor, polvilhados de ervas aromáticas que todos os anos teimo em ter na varanda, mesmo que o vento e o ar da maresia teimem em secá-las.
Os campos enchem-se de legumes frescos e de frutos deliciosos. Aproveito ao máximo cada um e nunca falta uma grande taça  de salada ou uma travessa de legumes grelhados na mesa. Todos os anos há o dia da inauguração do churrasco. O primeiro grelhado na brasa é sempre um acontecimento e a partir daí o D. não lhe dá mais descanso, sendo o peixe o principal ingrediente. Almoça-se ao ar livre sempre que se pode.
Para este Sábado de receitas saudáveis trouxe à mesa do "Limited Edition" umas sardinhas da nossa costa, gordinhas e cheias de mílharas assadas na brasa e uns legumes grelhados e pão de milho a acompanhar. Não há nada mais simples e saboroso, ora vejam:


 
Salada de vegetais grelhados e pão de milho
Ingredientes:
1 a 2 fatias de pão de milho por pessoa
1 curgete fatiada no sentido do comprimento
1 pimento verde às tiras
1 cebola às rodelas
1 mão cheia de tomate cereja em metades
Alguns raminhos de couve-flor previamente cozida (opcional)
Ervas aromáticas a gosto (usei tomilho e alecrim)
1 dente de alho picado
Azeite q.b.
1 colher de sobremesa de vinagre balsâmico
Flor de sal q.b.
 
Preparação:
Coloque os legumes preparados numa taça grande e tempere com as ervas, o alho, o sal, azeite e o vinagre.
Envolva com as mãos e deixe repousar por alguns minutos para que os temperos tomem o sabor das ervas.
Entretanto aqueça o grelhador, pincele com azeite e grelhe o pão. Reserve numa travessa.
Comece depois a grelhar os legumes começando pelo pimento, cebola, curgete e tomate.
À medida que ficam grelhados, vá retirando e colocando na travessa.
Regue com a marinada que ficou na taça.
Sirva a sardinha sobre o pão acompanhada dos legumes.

1 de Agosto de 2014

Dia 1 na cozinha com os batidos de Domingo à tarde



O temas deste Dia 1 na cozinha não podia ter sido melhor escolhido para os dias de Verão e de férias (não as minhas ainda... ), porque lá por casa se no Inverno há assado para almoço de Domingo, no Verão há batido para o lanche de Domingo. É quase coisa sagrada, tal como ter um jarro de limonada ou de chá fresco para ir bebendo durante o dia. Para este desfile trouxe dois batidos de fruta: um é um clássico, para quem gosta de coisas simples e doces (para o meu D.), outro é exótico e arrojado para quem não resiste a misturas de ingredientes novas (para mim).

O clássico batido de morango
 

Ingredientes (serve 1 copo com cerca de 250ml):
100 gr. de morangos limpos
180 ml de leite frio
Açúcar a gosto

Preparação:
Coloque todos os ingredientes no copo misturador e triture até obter uma consistência cremosa.
Bimby: triture 15 segundos/vel. 9.

O exótico batido de ananás, côco, gengibre e hortelã
 
 
Ingredientes (serve 1 copo com cerca de 250ml):
1 rodela de ananás
1 fatia de gengibre
algumas folhas de hortelã
1 iogurte de côco
1 medida do copo de iogurte de leite frio (ou água para um lassi)

Preparação:
Coloque todos os ingredientes no copo misturador e triture até obter uma consistência cremosa.
Bimby: triture 30 segundos/vel. 9.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...